Ditado

Ditado popular

8 Lendas do Nordeste: Conheça o Papa-Figo e Mais!

8 Lendas do Nordeste que vão te encantar, te surpreender e te assustar também. São lendas folclóricas e urbanas do Nordeste para você conhecer um pouco mais sobre a cultura e as crendices populares dessa região!

Lenda do Papa-figo

O Papa-figo também é conhecido como o velho do saco e recebeu esse nome porque gosta de capturar crianças e comer seus fígados para curar uma doença grave que possui.

É um senhor maltrapilho que vive vagando por aí com um saco nas costas cheio dos ossos das crianças que ele já devorou.

Lenda da Comadre Fulozinha

A Comadre Fulozinha ou “Mãe da Mata” vive na Região da Mata, entre Pernambuco e Paraíba. É uma cabocla de cabelos longos e escuros que protege a floresta.

É uma criatura amável, mas perigosa para os homens que vão caçar e desmatar o local, usando o seu assobio para fazer com que eles se percam na mata.

É importante levar mingau para oferecer à Mãe da Mata, do contrário, ela faz nós nas crinas dos cavalos e assusta quem adentra a mata.

Lenda do Barba Ruiva

Segundo os moradores do Piauí, a lagoa de Parnaguá nasceu através de um encanto, quando a Mãe-D’água Iara que vivia em um riacho ficou muito brava com uma moça que engravidou de seu namorado e abandonou a criança em suas águas em um tacho de bronze.

Iara, em sua fúria, criou uma enchente, encantando as águas e criando a lagoa, onde o bebê ficou aos cuidados dela. Tempos depois, as lavadeiras começaram a ouvir um choro de bebê do vindo do fundo da lagoa.

Foi aí que elas começaram a ver um menino saindo da lagoa pela manhã, um jovem de barba ruiva que saía das águas pela tarde e tentava agarrá-las e beijá-las e, pela noite, um velho de barba branca. É o bebê que foi abandonado pela sua mãe e espera ser abençoado por uma das mulheres para que o encanto se quebre e ele seja libertado.

Lenda do Quibungo

O Quibungo é um monstro que persegue e devora crianças teimosas e que não dormem no horário certo. Conhecido principalmente na Bahia, ele parece muito com o bicho-papão: é peludo como um urso, tem uma aparência horrenda com uma boca cheia de dentes nas costas e é muito mal.

Lenda da Cabra Cabriola

A Lenda da cabra cabriola surgiu em Pernambuco no fim do século XIX. A criatura é metade cabra, metade monstro, tem dentes afiados e cheira muito mal.

Ela se alimenta de crianças e também ataca pessoas que andam sozinhas na rua à noite, além de poder invadir as casas das crianças teimosas para capturá-las.

Lenda da Alamoa

A Alamoa é uma mulher que vive em Fernando de Noronha, em Pernambuco, em um Pico perto do mar que tem mais de 300 metros de altura. A mulher se parece com uma alemã: branca, cabelos e olhos claros, atrai os homens até o pico, se transforma em caveira e os joga lá de cima.

A Cidade Encantada de Jericoacoara

Em Jericoacoara, no Ceará, existia uma cidade encantada onde hoje se encontra o Farol do Serrote, um ponto turístico. Era uma cidade maravilhosa, onde vivia uma princesa que foi enfeitiçada, ficando com corpo de cobra com escamas douradas, cabeça e pés de humana. A cidade também desapareceu.

Para quebrar o feitiço, se tornar princesa novamente e revelar a cidade, é preciso que um humano se sacrifique, derramando seu sangue.

Lenda do Cabeça de Cuia

O menino cabeça de cuia navega amaldiçoado pelo Rio Parnaíba, entre os estados do Maranhão e do Piauí, à procura de virgens chamadas Maria para sacrificar.

Tudo começou quando o menino Crispim se revoltou com as sopas preparadas por sua mãe, que sempre eram ralas e feitas com ossos. Ele atirou um osso na sua cabeça, matando a própria mãe.

Mas antes de morrer, ela o amaldiçoou transformando a sua cabeça em uma cuia enorme e fazendo ele vagar pelo rio, podendo se libertar apenas quando matasse e comesse sete virgens de nome Maria. Cabeça de cuia se desesperou e se matou, afogando-se no rio, mas até hoje o seu espírito vagueia por lá à procura das virgens.

Em: Folclore,
2022.12.14